Hoje tudo cheira a passado

17:03:00


Cantar debaixo do chuveiro, dançar na frente do espelho, encontrar velho amigo, apertar plástico bolha, ficar um tempo à toa.” Marcela Taís

Então você dá um suspiro longo e diz mentalmente, ou num murmúrio baixo, aquele velho clichê: “Parece que foi ontem que eu...” E você percebe que até as suas memorias lhe estão escapando pelos dedos, enquanto você se agarrar ao que sobrou dos seus dias infantis, tenta visualizar aquela sua festa de aniversario onde ganhou tanto presente legal de pessoas que nem falam mais contigo.

Se olha no espelho e tenta encontrar algum traço ingênuo que o mundo cruel não destruiu, e se vê feliz por achar alguma marquinha de alegria que prova que já foi livre. E repete essa palavra: livre! Que conjunto de letras mais esquisitas, não é? Pois hoje a liberdade é poder ser dono do seu nariz, como você sempre quis ser, e fazer o que quiser quando preferir, sem dá satisfação para ninguém. E sua antiga liberdade era o oposto, avisar aos pais que iria brincar lá fora, saia por sua cidade de bicicleta, queria ir mais longe, mas sempre voltava, porque não havia nada melhor do que a comida da sua mãe e ouvir as piadas do seu pai.

Lembra que quando ficava doente não precisava ir ao medico para pedir um atestado? Pois podia ficar em casa deitado o dia todo na cama assistindo a maratona dos seus desenhos animados favoritos. E lembra que seu maior problema era encontrar o X na equação de matemática? Que não tinha nada pior do que o tempo acabar e o professor recolher a prova sem você ter respondido.

A felicidade era o que ela de fato é, ou seja, um estado de espirito, e não objetos adquiridos. Era bom, não era? Quando seus amigos iam a sua casa para brincarem contigo e não para ficarem conectados no seu Wifi. E se você estivesse triste, eles logo percebiam e queriam saber o porquê, mas hoje para alguém saber o que você sente precisa ir ver seu status do Facebook ou WhatsApp, e apenas olham, a maioria nem pergunta o que está havendo de ruim na sua vida. E nem sequer tentam te fazer sorrir.

E as crianças se importavam mais umas com as outras, não acha? Porque se amavam mais puramente, não por interesse, mas simplesmente porque gostavam e queriam ver os outros bem. Era tudo tão mais fácil, simples, animado, sincero, grandioso, otimista. E hoje tudo cheira a solidão, vaidade, tristeza, medo, tensão e cobrança.

Você queria tanto ser gente grande, para beijar na boca, ir trabalhar para ganhar muito dinheiro, sair da casa dos seus pais, estudar noutra cidade, dormir tarde, comer besteiras quando quisesse, e percebe que tudo isso é ilusão. Nunca se viu tão adulto e tão preocupado com o futuro. Quer voltar ao passado e nem pode, o que te resta é relembrar, e chorar baixinho para ninguém ouvir, já que lágrimas são sinais de imaturidade e fraqueza.


Vista sua armadura de Super-Adulto e vá enfrentar o mundo que tanto te assombra. 


Escrito por: Tatielle Katluryn


Outros textos para você ler

0 comentários

Você compraria meu livro?

Postagem em destaque

Os 13 porquês que Deus te diz para você não cometer suicídio

Ás vezes parece que você está á deriva num imenso mar. Acima há apenas céu e ao redor também, não há nada para se segurar, nenhum barco...