Algo murchou entre nós

10:23:00


Sabe quando alguém te abraça já querendo soltar? E a pessoa sorri das suas piadas apenas por educação. Arruma motivo para ir embora porque você sente que a pessoa não quer ficar do teu lado. E te dá um 'tchau' mais feliz do que o 'oi' frio que falou ao chegar. Sou muito desconfiada, então logo vi os sinais de algo errado, e como tenho tanto pessimismo em mim, sabia que o problema era eu. E isso doeu.

Mas acredito que em quase toda relação chega aquele momento em que um pergunta para o outro “Você ainda me ama como dizia amar?”, de antemão parece um questionamento simples, senão fosse pela dificuldade de se decidir entre o sim ou o não, fica no ‘não sei’, se perdi no ‘talvez’, acaba no ‘não tenho certeza’. Pedem um tempo, o amor esfria, algo murcha dentro deles, então para qual montanha longínqua foge aquele ‘para sempre’ que repetiam nas noites quentes de verão? 

Voltam a se ver, aquele abraço não é mais apertado, o beijo é na bochecha, ele não deixa mais seu olhar pousado no dela, o que houve? Jogaram uma bomba atômica no jardim florido que eles plantaram juntos? Se esqueceram da dificuldade que foi a família dela gostar dele? Não se lembram da vez que ela foi a única a apoiar a decisão louca dele de ir atrás de um de seus sonhos com medo do que diriam? 

Uma coisa é certa: pode-se regar a rosa mesmo murcha, redobrando a quantidade de lágrimas que encherá o regador, será preciso sacrifícios, esforços, muito empenho e sentir a velha dor de ter deixado isso morrer aos poucos, cair na rotina, tornar o ‘te amo’ algo tão monótono e banal. Vão se lamentar por ele errar tanto com ela e ela exigir tanto dele. Ele começa a se arrepender de não ter dado a devida importância aos silêncios dela, ela fica se perguntando se estava mesmo cuidando dele quando ele preferiu dizer ‘não era nada’ daquele estresse furioso. 

Podem voltar ao primeiro momento do amor, quando a paixão faz brilhar os olhos da alma, que não vem ninguém mais perfeito no mundo a não ser o seu amor, e nada mais lindo que os dois juntinhos num sofá vendo filme ás dez da noite de uma segunda-feira. 

Eles têm que lembrar que ele dizia que não ira querer ninguém além dela e que ela prometeu que ele seria o pai de seus filhos. Mesmo com a rosa murcha apenas com os espinhos vivos ainda machucando, vale a pena regar quando se é amor de verdade. Nada melhor que calma e paciência, pense e veja que nenhuma outra flor nova ou mesmo um jardim cheio de novos aromas será capaz de substituir o espaço que cada um leva do outro. 

No meu caso, ele disse que estava tudo bem, eu fingi acreditar, não queria discutir, e ele fingiu não se importar, me deu um beijo sem graça e disse que iria se atrasar para algo importante. 

Se no começo pudessemos ver o fim, será que ainda iriamos entrar num relacionamento?




Escrito por: Tatielle Katluryn

Outros textos para você ler

0 comentários

Você compraria meu livro?

Postagem em destaque

Quando todos se vão Deus permanece e cuida da menina que foi deixada para trás

Ela é aquela que fica quando todos por algum motivo decidem ir embora. Ela sempre fica e se pergunta o que fez de errado para isso ac...